O Brasil possui um território estimado em mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados. No ranking mundial, ele é o quinto maior país em terras descontínuas. Cerca de 47% das terras emersas do continente sul-americano é ocupado por ele. A costa brasileira totaliza mais de sete mil quilômetros de extensão, estima-se 7.941 km.

O país se subdivide em 27 partes: a capital federal, Brasília, e mais 26 estados. Distribuídos, eles formam cinco regiões: Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A leste, o Brasil é banhado pelo oceano Atlântico. Argentina, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela são os países que fazem divisa com o Brasil.

Rico em recursos hídricos, passam pelo território brasileiro mais de dez bacias hidrográficas. A Bacia do rio Amazonas, o maior rio do mundo em volume de água, que fica na região Norte; tem-se a Bacia do Tocantins-Araguaia: tange a região Centro-Oeste, Norte e Nordeste e passa pelos estados do Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Pará, Maranhão e Distrito Federal.

A Bacia do rio São Francisco corre por uma imensa faixa territorial do Brasil. Da Bacia, só o rio São Francisco, o Velho Chico, possui 2.700 km de extensão e ela conta com 168 afluentes. No Brasil, tem-se também: a Bacia do rio Paraná, no centro-sul; a Bacia do Paraguai; a sudoeste; a Bacia do Atlântico Leste, no litoral; a do Atlântico Sul; do Atlântico Nordeste Oriental e Nordeste Ocidental e a Bacia do Paranaíba.

Planaltos e planícies compõem os altos e baixos do território brasileiro. As florestas, o cerrado, as matas dos cocais, a mata atlântica; no sul, a mata das araucárias e a caatinga, no nordeste. A sudoeste, tem os pantanais; ao sul, os campos. Para completar essa biodiversidade, em cada local do país, se encontra um clima diferente.

Dos vários acidentes geográficos que se tem no Brasil, a formação rochosa culminante é o Pico da Neblina, que possui, aproximadamente, 2.994 metros de altitude. São exatamente 2993,78 metros, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Espalhados por esses mais de 8 milhões de quilômetros quadrados de terra, estão cerca de 190 milhões de habitantes. A população brasileira cresceu, desde a década de 80, vinte vezes. Embora seja uma das menores regiões, o Sudeste brasileiro é o local onde se encontra a maior parte da população brasileira.

Clima do Brasil

Nosso país possui um clima diversificado por causa de vários fatores, tais como: o tamanho do território, o relevo e afins. As massas de ar que passam pelo país exercem influências sobre o clima de qualquer região. Pelo Brasil, passam as massas equatoriais e a polar atlântica. São oitos tipos variados de climas que se tem no país: equatorial, tropical úmido, tropical de savanas, semiárido, árido, tropical de altitude, subtropical e subtropical continental.

Na região norte do Brasil predomina o clima equatorial. Esse clima atua, em parte, ao norte do Mato Grosso e a oeste do Maranhão. As temperaturas variam entre 25ºC a 27ºC. As chuvas são constantes e apresenta um clima quente e úmido. Em determinadas épocas do ano, a temperatura cai em torno de 3ºC, o que eles chamam de “friagem”.

O clima tropical age na região central do Brasil, atinge o Maranhão, grande parcela do Piauí, Bahia e Minas Gerais. Chega também ao extremo norte, onde atua no estado de Roraima, com temperaturas variadas entre 18º C e 28º C e as estações do ano são definidas: verão chuvoso e inverno seco e frio.

Em cidades elevadas, construídas em cima de serras ou morros, onde a altitude está entre 800 e 1.000 metros de altitude, predomina o clima tropical de altitude. É comum da região sudeste, abrangendo parte da região sul e centro-oeste: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, norte do Paraná e o extremo sul do Mato Grosso do Sul. Geadas no inverno são características desse clima. A temperatura varia entre 18ºC e 26ºC. Uma cidade que se destaca por ter esse clima é Campos do Jordão – cidade mais alta do Brasil.

Tropical atlântico ou úmido ocorre nas regiões litorâneas, do Rio Grande do Norte a São Paulo. Sofre influência da massa tropical atlântica, que provoca as chuvas nas regiões em que tal clima é recorrente. O termômetro costuma marcar temperaturas entre 18ºC e 26ºC e o clima é úmido e chuvoso o ano inteiro.

O clima subtropical está abaixo do trópico de Capricórnio. Abrange a parte metropolitana de São Paulo, o Paraná, exceto a parte norte, Santa Catarina e Rio Grande do sul e a parte sul do Mato Grosso do Sul. Ocorrem geadas e nevadas, os verões não apresentam temperaturas elevadas e o inverno é frio. Neva apenas em regiões com altitudes elevadas. A temperatura média no ano é de 13ºC e 17ºC.

O semiárido fica no interior do nordeste e se localiza numa área conhecida como Polígono das Secas, que compreende grande parte de sertão nordestino. As chuvas são poucas: 200 mm/ano. Chove 10% das chuvas do clima equatorial. As estações do ano não são definidas, a questão das chuvas é mal distribuída: ora escassa, ora intensa – dependendo do período.

Hidrografia do Brasil

O Brasil é riquíssimo em recursos hídricos. Doze bacias hidrográficas correm pelo território nacional e, também, o oceano Atlântico, que banha toda a costa leste brasileira. De acordo com a Word Wildlife Fund (WWF), o Brasil detém 13% da água potável do mundo; ou seja, mais um aspecto que mostra a abundância de água em nosso país.

É comum a predominância de águas provenientes das regiões de planalto, o que permite a construção de usinas hidrelétricas, como a de Urubupungá (rio Paraná), Iguaçu, Pirapora, Sobradinho, Paulo Afonso. Algumas bacias se localizam em regiões de planície: a Amazônica e a bacia do Paraguai.

As águas das chuvas são um fator importante para encher os rios; e ela acontece nas épocas de verão, quando se está no período chuvoso. No clima seco do nordeste, existem rios chamados de intermitentes ou temporários, uma vez que, em determinados meses, eles desaparecem.

O Brasil possui doze bacias hidrográficas: a bacia Amazônica, a Tocantins Araguaia, a bacia do Atlântico Nordeste Ocidental, a do Parnaíba, o Atlântico , a bacia do rio São Francisco, Atlântico Leste, Atlântico Sudeste, a bacia do rio Paraná, do rio Paraguai, do Uruguai e o Atlântico Sul.

A bacia Amazônica passa pelos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará e Amapá. São mais de três milhões de quilômetros quadrados de área e os principais rios são: o rio Amazonas, o rio Negro, o Solimões e o Purus. A bacia Amazônica é a maior de todas em expansão territorial.

Em seguida, vem a bacia do rio Paraguai, com mais de um milhão de quilômetros quadrados de área ocupada. A bacia é composta pelos rios: Paraguai, Miranda, Cuiabá e São Lourenço. Ela atravessa os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que também fazem divisa com o Paraguai.

A bacia do rio Tocantins ocupa uma área de 967.059 km² e abrange os estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Pará e Distrito Federal. Os principais rios que correm nela são: o rio Tocantins, o rio Araguaia, o rio Vermelho e o Crixá-Açú. As sub-bacias dos rios Mearim e Itapecuru passam pelos estados do Pará e Maranhão. São mais de 250 mil quilômetros quadrados de extensão e os principais rios são o Gurupi, o Turiaçu, o Periucamã e o Meaarim

Piauí, Maranhão e Ceará recebem água da bacia do rio Parnaíba. Fazem parte da bacia os rios: Parnaíba, Balsas, Gurgueia e Uruçuí-preto. Completam 344 mil km². No Atlântico Nordeste Oriental, os estados são o Ceará, o Rio Grande do Norte, a Paraíba, o Pernambuco e Alagoas. Eles formam pequenas bacias costeiras e os principais rios que compõem a hidrografia nordestina são: o rio Jaguaribe, o Salgado, rio Banabuiú e Canús. Esse conjunto de rios se espalha por uma área de 287.348 km².

A bacia do rio São Francisco passa pelos estados de Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Bahia, Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal. Ao todo, são 640.000 km² de extensão da bacia e os rios que compõem são o rio São Francisco, o rio das Velhas, Abaeté e Carinhanha. A bacia do rio Jequitinhonha, Mucuri, São Mateus e Paraguaçu é formada pelos rios Paraguaçu, Mucuri, Pardo, Jequitinhonha e São Mateus. Ela atravessa os estados de Sergipe, Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. São 374.677 km² de extensão da bacia.

Outra das doze bacias existentes no território brasileiro é a bacia do rio Doce, Ribeira e Paraíba do Sul. Correm pelos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, totalizando aproximadamente 230 mil km².

A sub-bacia do rio Paraná tem 879.860 km² de área territorial. Os rios Paraná, Paranaíba, Tietê e Iguaçu correm nos estados de Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Distrito Federal. A sub-bacia do rio Uruguai, em território brasileiro, ocupa cerca de 175 mil km². Os principais rios são: o rio Uruguai, o Chapecó, o Passo Fundo e o rio da Várzea. Os estados contemplados pelas correntes desses rios são o Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Os principais rios da bacia do rio Camaquã são: o rio Itajaí, Jacuí, Itajaí-Açu e Itajaí do Sul. Juntos, se espalham por uma área de 185.856 km² e passam pelos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

De todos esses rios e bacias, a região mais caudalosa é a Amazônica. Mais de três milhões de quilômetros quadrados de água, distribuída em mais de sete estados brasileiros. Além disso, a maior bacia do mundo é a do rio Amazonas que, por sinal, é maior em volume de água do mundo. Ele se estende por 6.992 km.